domingo, 3 de março de 2013

A pior parte disto. #Prólogo

Eu não vou te beijar.
Porque a pior parte disso
é deixar você.

Você não espera que coisas ruins aconteçam com você. Porque você é especial. Você é jovem, cheio de vida, opiniões e ideias. Você não espera morrer atropelado ao atravessar uma rua qualquer. Não espera levar um tiro na porta de casa. Essas coisas não acontecem com você. O que você espera é ter alguém pra abraçar e chamar de seu, espera ser alguém especial na vida de quem é especial pra você.
Mas e quando nada é como se imagina? E quando as notícias não são assim tão boas, o que você faz?
Bom, eu vou ensinar à vocês.

***

     Eu podia escutar tudo. O tec tec do salto alto da mulher loira nervosa que caminhava de um lado para o outro na sala de espera. O ponteiro do relógio de segundo a segundo. Eu podia até escutar os meus batimentos... se ficasse bem parada. Eu recebera a notícia há algumas semanas. Apenas meus pais sabiam. Eu não sabia, eu nem ao menos acreditava. Eu era jovem demais pra acreditar. Talvez eu esteja reagindo errado. Talvez eu deva aceitar e rezar pro meu prazo se estender. Mas eu nunca fui de rezar muito. E seria hipocrisia de minha parte começar a fazê-lo agora.
     A minha história de vida é mais ou menos assim: fui inteligente demais no colegial para ser legal. Então, nunca tive muitos amigos. Minhas notas me levaram a uma boa faculdade e a um bom emprego. Nunca tive um relacionamento duradouro. Nunca me esforcei pra isso acontecer. Minha amiga Gio (Giovana mesmo), diz que sou até bonita. Com todo esse verde/azul de meus olhos e meu jeito durão de ser. Mas não me deixo abater pelo o que ela diz. 
     Resolvi fazer tudo diferente durante esse ano - meu último ano -, talvez eu fotografe e deixe registrado para as futuras gerações. Não vou deixar que mais um ano passe em branco, como foram todos os outros. Decidi que, se uma ideia insana passar pela minha cabeça, eu vou realiza-la, sem medir consequências. Cansei das consequências, cansei de pensar nelas mesmo antes delas acontecerem.
Vou ser quem eu quiser.
Vou ter quem eu quiser.
Pelo menos esse ano.

E foi assim que eu resolvi não me importar.
E foi assim que eu me meti numa encrenca inimaginável.


JRS

4 comentários:

  1. Adorei esse texto! É uma história que você está criando e vai postar no blog? Adoraria se continuasse, pois se foi você quem escreveu digo que é uma ótima escritora! Ah, coloquei o Prêmio Dardos no seu blog, espero que goste! Beijos
    http://enlear.blogspot.com.br/2013/03/premio-dardos.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Bianca!
      Sim, é uma história que estou criando. Na verdade, é uma web novela. Vou postar um pouco dela todo sábado.
      Obrigada pelo elogio e fico muito feliz que tenha gostado! :)
      Pode se sentir a vontade para ler e comentar sempre que quiser.
      Ah, obrigada pelo prêmio, assim que tiver tempo farei um post sobre ele.
      Beijos, Julia.

      Excluir
  2. Olá Júlia!
    Você me deixou uma mensagem lá no skoob e eu vim conferir!
    Ameeei seu texto, sério, você leva muito jeito, sua escrita é bem fluida, parabéns!
    Amei seu blog também, o plano de fundo é muito bonito!
    Já estou seguindo e amando, não pare de escrever que quero acompanhar tudo!
    Beijão

    Tem post novo lá no blog, confere meu (ainda único) texto lá também!

    endless-poem.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sara.
      Obrigada por atender ao meu pedido, sei o quanto é chato ficar lendo aquelas mensagens. Fico feliz que tenha gostado do texto. Pode se sentir sempre a vontade pra dar uma olhadinha nos novos capítulos. Vou postar todo sábado.
      Já estou seguindo seu blog. Desejo todo o sucesso do mundo.
      Beijos, Julia.

      Excluir

Obrigada por reservar uns minutinhos para ler meu blog. Fico agradecida! =) E obrigada por comentar!!
Ass: Julia Siqueira