terça-feira, 29 de janeiro de 2013



Lembra quando ele quebrou seu coração falando apenas uma pequena coisa e só porque você não consegue consertá-lo, seu próprio mundo explode em milhões de pedaços que hoje estão completamente perdidos. Hoje, todas as suas palavras saem da sua boca e você não consegue respirar por que há muitas coisas que você queria dizer, que você queria fazer. Mas você está petrificada e ninguém pode te entender. Por que ninguém realmente se importa.

JRS



If i could see a little light

If i could find some piece of mind
If you just give me a sign
I could see a little light
I don´t know where you are
Maybe near or maybe far
I could see a little light
If i could see a little light
I could see a little light

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

[RE]POSTANDO: Sobre vários tipos de amor.

    Nunca havia visto aquele tipo de amor. O tipo de amor que se pode morrer. Já havia visto o que se pode matar. Mas são duas coisas completamente diferentes, amor é amor, não essa doença. Amor é o que faz o mundo se mover, mesmo estando no meio de um monte de coisas absurdas, mesmo estando no meio de gente que não sabe amar - e nem quer. -
Já li sobre amor. Basicamente tudo o que eu li fala sobre amor, o amor incondicional, o amor que não se apaga, o amor infinito.
    Já escrevi sobre o amor. Mas o que escrevi sobre ele é só o que eu sei - que não significa nada perto do que ele é e pode ser de verdade. - O que escrevi foi uma junção do pouco do amor que se sentia com o tanto da paixão que já haviam notado, no final, a mistura não foi tão bem sucedida.
Mas já vi o amor de perto, já imaginei o amor.
    São tantas formas em que se pode apreciá-lo, que quando você finalmente senti-lo, não sentirá tanto assim. - Exceto pelo fato das borboletas no estômago, os sininhos tocando como música de fundo e o sorriso abobalhado de uma adolescente de 15 anos que nada sabe da vida. -
São tantas formas de senti-lo: O amor maternal, o amor de espírito, o amor violento e o amor, somente e puro amor, que é capaz de mover uma alma a outra sem o mínimo esforço. Que é capaz de fazer se apaixonar duas pessoas que nada tem a ver uma com a outra, mas que mesmo assim, se suportam por amarem tanto assim.
      E dizem que nada pode salvar o mundo...

JRS

Em 2009.

É engraçado como a gente se engana.
Em 2009 eu pensei que eu te amasse.
Em 2009 eu tinha certeza que um dia iríamos ficar juntos.
Em 2009 eu era uma criança, cheia de esperança e de ilusões.
Em 2009 eu acreditava em 2009.
Em 2009 eu jurava que você era o melhor que eu conheceria.
Em 2009, eu gostava de você.
Em 2009 eu acreditava em 2009...

"Uma simples distração pra você esquecer."




#OFF: Selinhos que ganhei.

 
    Bom, sempre fui bastante antissocial quando se diz respeito ao meu blog. Nunca fui de ter muitos seguidores, ou seguir outros blogs. Mas durante essa semana fui conhecendo blogs lindos, com conteúdo e isso foi diminuindo um pouco do ciúme que tenho em relação ao meu blog.
Então, essa semana recebi dois selinhos de dois blogs particularmente lindos! São eles: Perdida entre Livros e Hey Karol. Bom, vou retribuir o carinho de vocês. Obrigada, vocês são lindas!!

REGRAS PARA TER ESTE SELO:
- Nomear 15 blogs:
(Sei que são só 12, mas todos os outros já tinham feito o post deste selo. =/)- Avisar a pessoa que você nomeou: Vou avisar.

- Agradecer ao blog que te nomeou: (Já agradeci no começo do post.)

Adicionar o post ao blog: (O.K)

- Adicionar 7 coisas que você gosta:
1- Pão de Queijo
2- Frio
3- Matheus Henrique
4- Rafael Rodrigues
5- Escrever
6- Cantar
7- Perturbar


JRS




sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Minha culpa.

    A marca de batom ficou na xícara de café que ela deixou ao sair apressada depois de uma ligação. Eu tô aqui olhando a marca rosa clarinha antes que alguém retire a xícara dali. Já faz umas duas semanas que eu venho perseguindo ela. E ela nem se deu conta disso. 
    É tão imersa em seu mundo particular que é capaz de ignorar o fato de que vê uma pessoa desconhecida sorrir pra ela todos os dias. E eu fico esperando um sorriso de volta. Nem que seja aquele sorriso pra ser simpático. Ela não sorri, mas ela repara. E isso me dá ao menos uma fagulha de esperança. Se um dia ela conseguir se livrar do tormento de seu mundinho particular, talvez eu tenha alguma chance. Não que eu seja merecedor de alguma chance. Eu a amo e nem sei seu nome. 
    Sei que ela gosta de capuccino com torradas mas nem ao menos sei seu apelido. Sei que seu cabelo é louro-acobreado, brilhante demais no Sol, mas sou incapaz de lhe perguntar seu nome. 
As vezes eu acho que sou eu que tenho que me livrar do meu mundo particular… E de meus demônios particulares.