terça-feira, 4 de dezembro de 2012

A bela e a Fera. (prólogo)


Eu estava sentada na poltrona grande, agarrada a uma almofada felpuda, quase chorando. Mas nao tinha forças suficientes para chorar. Há uns 30 minutos atrás eu fui obrigada a ouvir meu pai negociar meu casamento com a pessoa mais desprezível dessa cidade.
Ele já estava interessado em mim há um tempo e sempre deixou isso bem claro. Eu disse a papai que sou nova demais e ele era o ser mais desprezível da face da Terra. Ele era mal, ele era egoísta, era inoportuno e me fazia tremer, sempre que sorria. Eu só tenho 16 anos. Ele deve estar nos seus 30 anos.
  Estávamos em um baile promovido pelo próprio Sr. U.; Todos dançavam alegremente com seus pares, eu havia sido obrigada a comparecer àquele baile. Eu não gostava nem um pouco do sr. U., tampouco gostaria que ele gostasse de mim. No meio de uma música ele me puxou para dançar, nem ao menos pediu a minha mão a dança, nem ao menos me cortejou, ele sabia que meu pai faria de tudo para que eu casasse com ele, meu pai faria de tudo para que eu saísse de sua casa. Ele queria esquecer de que um dia teve uma filha mulher, que nem ao menos podia cuidar de suas posses quando o mesmo viesse a falecer. Pra ele eu era fraca e incapaz, como todas as mulheres. E casando com o sr. U., eu poderia ao menos dar-lhe algum sustento, pois aquele desprezível homem era dono de quase tudo nesta cidade, se era rico ou milionário, não me importava, mas importava muito à meu pai.

Um comentário:

  1. Lembrou-me tanto os romances do séu XVIII e XIX!
    *u*
    Adorei!
    Senti-me no lugar da garota, tendo que aguentar tal pai desprezível, tal homem nada envolvente.
    Você escreve muito bem! :D
    Beijos!





    http://www.linguasdeprata.com/

    ResponderExcluir

Obrigada por reservar uns minutinhos para ler meu blog. Fico agradecida! =) E obrigada por comentar!!
Ass: Julia Siqueira