sábado, 7 de abril de 2012

Fim.

Todo escritor chega ao fim
No meu caso, não teve nem começo
As palavras saiam de mim
Mas não era eu, nunca foi.
Minha história favorita nunca teve fim.
Talvez porque também nunca tenha tinha um meio.
Talvez porque tenha sido começo
e mais nada
A partir daí só ilusão e criação.
Criação do nada.
Da ideia de criar alguma coisa.

Todo escritor chega ao fim
O caso do meu fim, o começo é o réu
Meu começo foi meu fim
Minha vida foi meu fim

No meu caso, meu fim foi meu começo
E a partir daí
Só houve fim

Ao meu amor que me desculpe
Mas só houve fim.

JRS

2 comentários:

  1. Oi, Dna. Julia!

    Eu sou o João, aquele do pé-de-feijão - e com a foto dos pés descalços no chão... ;-)
    O que tem as iniciais do nome iguais às do seu, só que com um "V" a mais no final.
    Do you remember me?

    Bom, o refrão de uma das músicas que mais gosto diz "I'll be watching you". E gostaria que você soubesse, ainda que geralmente eu não me manifeste e que isto pouco te importe, que "I still watching you".

    Justamente por esta razão eu gostaria MUITO de ter uma oportunidade de conversar contigo em "off", fora do blog. E é sobre algo importante.
    Me permite?

    As suas iniciais, com um "V" após o "S", e acrescidas de "@mandic.com.br", te colocam em contato comigo.

    Um beijo pra senhorita! E SE CUIDA!!!

    -- João

    ResponderExcluir
  2. Bem vindo de volta João do pé-de-feijão. E obrigada por esse comentário, veio em boa hora, você não tem nem ideia do quanto me fez bem. Já te adicionei e te espero para conversarmos fora desse fantasioso blog.
    Beijinhos.
    JRS

    ResponderExcluir

Obrigada por reservar uns minutinhos para ler meu blog. Fico agradecida! =) E obrigada por comentar!!
Ass: Julia Siqueira