domingo, 12 de junho de 2011


Leia o post, ouvindo a música que postei no final. bjks.
(...)
Eu não sou o único perdido por aqui. A menina abraçada com o coração parece estar perdida também, mas ela parece não se importar tanto quanto eu. Eu devia aprender com ela. A gente parece sofrer do mesmo vazio, o vazio de não sofrer nada.
Parece que ela me viu aqui, por que essa cara? Parece... confusão; Acho que ela nunca precisou beber pra esquecer alguma coisa. Na verdade, nem eu precisei, até agora.
Mas ela é estranha. É linda, obviamente. Não linda dessa beleza óbvia. Loira dos olhos azuis. Não, ela é linda por ser diferente. Porque ela tá vestida tão bem? Deve estar vindo de alguma festa, mas se está vindo de alguma festa, porque está sozinha? Porque não tem ninguém com ela? E pelo amor de Deus, porque ela está abraçada consigo mesma desse jeito tão estranho?
Mentalmente, fiz uma lista de coisas que gostei nela, mesmo sabendo que era a coisa mais inútil a se fazer naquela hora:
A primeira coisa, foi a falta de atenção para com o mundo. Ela não fazia ideia do que era e nem queria fazer. A segunda coisa, os olhos. Eram os olhos mais
estranhos que eu já havia visto, sem cor definida, ainda indecisos, como ela. A terceira coisa, o jeito como ela nem sequer pensou em correr ou ficar assustada numa rua escura com um bêbado olhando e analisando ela.
Todas essas coisas formavam juntas o que ela era: Um tudo, um nada. Ela parecia saber exatamente o que fazer a qualquer hora. Ela parecia não
se importar. Ela parecia ter mil motivos pra fugir, mas não
deixava ao menos um transparecer. Ela era perdida, talvez tentando se iludir, mas era do tipo que não se iludia fácil, pelo contrário, ela sabia até demais da realidade. Pronto, matei a charada. Era isso que a tornava interessante. Ela era difícil de desvendar, se você olhasse mas não enxergasse. É tão fácil ver isso, ela simplesmente corria de tudo que a fazia feliz, e puxava a incerteza pra perto, porque só assim, ela sentiria alguma coisa, e só assim, ela podia se iludir, do jeito que queria.
Como negar que se apaixonar por uma pessoa como ela era a tarefa mais fácil do mundo?! Ela tinha o nariz em pé e andava com a coluna erguida, com todo seu ar de esnobe. Ela enebrecia as pessoas. Só viam o que ela cautelosamente os fazia ver. Talvez uma garota fútil, revoltada. Ela sabia que não era isso, mas ela queria que todos pensassem assim. Por que pra mim foi tão fácil desvendar? Eu nem a conheço. Nem sequer sei seu nome, mas parece que eu a conheço por toda minha vida. E mesmo depois de tudo isso, ela continua andando agarrada com o coração, em frente, olhando pra mim num quase sorriso como se dissesse: "Você é um idiota por beber. E você sabe disso". Acho que se eu fosse até ela agora, seria exatamente isso que ela diria pra mim.
E eu iria, se eu conseguisse levantar daqui.
(...) M.L;

You got it you got it
Some kind of magic
Hypnotic hypnotic
You're leaving me breathless
Say "hate this" say "hate this"You're not the one I believe in
Well, God is my witness.
Ilusão do cap. 5. *


sábado, 4 de junho de 2011

Nem sempre o sorriso que trago...

*Leia o post escutando a música que coloquei no final.*
... é a vida que levo.
Vim falar de uma pessoa que pouco agrada os outros e muitas vezes é julgada por ser do jeito que é. Muitas vezes as pessoas pensam que ela tem dupla personalidade, não sabe o que diz e age de maneira estranha, mas ninguém nunca parou pra pensar no quanto ela pode estar sofrendo, ou o quanto ela pode estar escondendo. O que você tem como felicidade? Sorrisos, olhares felizes? Você olha pra dentro? Não né? É muito fácil pra você julgar, ignorar e mentir pra mim. Mas fica sabendo aqui e agora, que em mim existem quinhentos rostos diferentes e que cada um deles representa sim o que eu tô sentindo. Eu sei enganar as pessoas muito bem, eu consigo o que eu quero na hora que eu quizer e sei que isso as vezes me prejudica. Eu gosto de pessoas que realmente eu não deveria gostar, eu considero muito mais o teu coração do que o meu. Eu vivo a minha realidade. Eu nunca mais vou dizer a ninguém o que ela tem de fazer, a partir de agora é você por si mesmo, de mim, você não vai conseguir ajuda. E eu espero realmente que você faça as escolhas certas, porque eu não vou mais esperar você se dar mal pra no final dizer "eu te avisei". Eu, milhares de vezes sinto coisas que não deveria sentir. Eu me escondo, eu crio personagens. Eu nunca digo "eu te amo" se não for completamente sincero e nunca escuto um "eu te amo" se esse também não for. Se você está chateado com algo que eu fiz, fale somente comigo, não com outra pessoa. Você tá vendo todas essas fotos? Elas representam tudo que um dia eu fui, e eu espero que você tenha a consciência que metade dela é você, que metade dela foi embora. Um dos piores defeitos do ser humano na minha opinião, é meter gente que não é chamada em assuntos que não os interessam, você se engana pensando que podem te ajudar, ou que querem te ajudar. Mas no final o que eles só querem é pro bem deles mesmos. E você? Você que se foda. Eu sei ser muitas coisas, não vou começar a mentir aqui. Sei ser falsa, sei ser verdadeira, sei ajudar as pessoas e também sei prejudicar... Mas eu sou campeã em uma outra coisa, eu sou campeã em ME machucar, em ME prejudicar. Eu, sozinha, consigo fazer mais mal a mim do que à qualquer outra pessoa. Eu sou minha pior inimiga e mesmo assim eu não fujo de mim. Eu odeio rótulos, eu odeio frases feitas e eu odeio injustiça. Eu não quero nada de ninguém. Eu não quero me iludir, eu não quero ser algo que não sou. Eu juro que tudo o que eu faço é pro bem de todo mundo, eu juro que eu tento ser mais do que eu posso. Mas as vezes o nosso melhor não é bom o suficiente, o que a gente tenta fazer, não agrada. O melhor é deixar assim e esperar que alguém enxergue, ou partir pra outra...
Blog fechado por tempo indeterminado
Julia Siqueira!