domingo, 31 de janeiro de 2010

Eu queria tanto...

O que você entende por liberdade? Eu sei de uma série de coisas que só vou poder fazer quando completar 18 anos... Mas o que eu quero mesmo, vai muito além de liberdade, vai muito além do que qualquer pessoa possa me dar. Acho até que é meio impossível de conseguir tantas coisas. A vida é tão intensa, tão cheia de aventuras e de pessoas pra conhecer... Eu sei que liberdade é uma palavra estranha que ninguém sabe direito se existe: Você pode ter liberdade mas nunca vai conseguir se desviar dos olhos atentos dos curiosos quando estiver sendo livre. Por isso eu digo que o que quero vai muito mais lém da liberdade, aos poucos eu vou fazendo tudo o que posso. Já fiz muitas coisas que eu não esperava fazer, não me arrependo de nada do que fiz. Sei que correr atrás dos meus desejos é a única maneira de consegui-los. A liberdade não me toma, eu não tomo liberdade. Queria saber voar, queria estar ao seu lado, queria poder tomar as decisões por nós dois, e você iria me agradecer por isso...
"Eu queria era dizer diferente, aquilo que todo mundo sente, mas não consegue expressar."
Sou da geração em que só o sim ou não, não me sustenta, em que amor tem que ser de verdade, olhar nos olhos é essencial e a palavra tem que ser somente verdadeira. No meu tempo não existe mentira, a verdade não se esconde e eu não tenho medo de errar. - apesar de errar, e muito! - Fui, sou e vou ser sempre maluca de botar tudo que eu construi a perder se eu achar que vale a pena, vou pular de lugares muito altos quando eu tiver vontade, e dar abraços esmagadores quando quizer matar a saudade. Eu não beijo quem não me atrai, eu não crio exeções, talvez só uma, uma vez na minha vida. Dou segundas chances, mas nunca uma terceira, compreendo quem não é compreendido e não compreendo quem é. Sou formada em experiências errantes que muitas vezes me levaram ao lugar certo. Dificilmente me apaixono, mas quando isso acontece eu amo intensamente e quase irrevolgavelmente. Sofro, mas não muito. Sem dramas, a vida já é cheia disso. Sorrio. Não preciso de retribuição.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

As vezes, temos de fazer escolhas.

Precisamos nos acostumar com as escolhas que teremos que enfrentar ao longo da vida. Posso não ser absolutamente ninguém, ou ser tudo pra alguém, mas fazer escolhas é realmente muito difícil. Ainda mais quando você sabe o que tem de fazer e não quer fazê-lo. Quando o seu coração se despedaça em milhões de pedacinhos só de pensar que em algum dia da sua vida, você vai ter que realmente ignorar todos os seus sentimentos e ir embora. Ontem eu chorei, por dentro (vocês sabem.) mas sei que foi uma escolha que vai mudar a minha vida. A minha vida. Tenho idade o suficiente pra saber o que é sofrer e o que não é. O que é relacionamento e o que não é. Então quando você tem que fazer uma escolha, faça. Pense na melhor maneira possível. Mas faça.